Faixa que chega com clipe criado por Baco Exu do Blues recheado de críticas à heteronormatividade é um lançamento do selo 999

Uma nova ameaça aos retrógrados foi identificada. Ela veio de Plataforma, Subúrbio de Salvador, é conhecida como Vírus e lança hoje (10/3), nos aplicativos de música seu primeiro single intitulado justamente como “Ameaça”. Vírus pode ser visto como uma musa da música contemporânea, e pode também ser um gângster, dos mais violentos. É negro, poderoso, viril, doce e suas rimas causam um impacto necessário.

“Ameaça” é um trap para chegar nas massas. Produzida por JLZ, a principal ideia da canção é  transmitir o quanto a comunidade LGBTQI+ é forte, mostrando que a sexulidade é só um detalhe. “Podemos ser o que quisermos e a nossa força é maior do que qualquer homofobia ou preconceito”, acredita Vírus.

A música chega com clipe dirigido por Baco Exu do Blues e OG Cruz. No filme, armas, drogas, poder e pegação. Tudo bem longe da apologia, mas como forma de crítica aos símbolos usados na maioria das produções que acabam por propagar o machismo e o preconceito. A intenção de Vírus é outra: questionar o protagonismo heteronormativo da cena atual.

“Vai impactar porque num cenário majoritariamente hétero e branco, onde a maioria das produções são reproduções com mulheres como objetos e gays como algo abominável, ter um jovem negro bissexual em posição de poder é mais do que chocante”, afirma o cantor. “Muita gente ainda acha a bissexualidade como algo que não soubéssemos o que queremos. A real é que sabemos e nós queremos tudo. Esse sou eu. Minha própria lady  e meu próprio lord. Não há nenhum problema nisso”, defende.

E é buscando mudar a incapacidade do sistema heteronormativo de entender o desejo do outro e a hipocrisia de achar que o sexo existe apenas para procriar e não por puro prazer ou erotismo, que Vírus chega firme e forte com seu lançamento através do selo 999 em parceria com a Altafonte. No som dele, além dos amigos próximos  que inspiram (Celo Dut, Young Piva, Baco) há um pouco de Beyoncé, Rihanna, Childish Gambino, Tyler the Creator e Madonna.

Em tempos de tensão com o Corona, Vírus é uma ameaça real e poderosa para o livramento do preconceito. Para ele, não precisamos de vacina. Vírus é o próprio antídoto.

[Ouça na plataformas digitais]