A relação da música com o poker é muito maior do que parece. Boa parte dos jogadores utilizam a música como parte do processo de concentração em um torneio. Alguns a utilizam como uma espécie de hipnose para obter o máximo de foco possível, como é o caso do multicampeão André Akkari.

Só que a relação da música com o poker vai além. Personalidades famosas do ramo como o rapper Nelly e o guitarrista Scott Ian são alguns dos mais famosos que praticam a modalidade nas horas vagas e até mesmo competem em torneios profissionais.

Na América Latina, também há músicos que se aventuram nas mesas de poker e um deles é o argentino Alejandro Andrés Lococo. Conhecido como “Papo MC”, o músico de 27 anos já tem uma história no rapper sul-americano e uma paixão fervorosa pelas cartas.

Um pouco sobre Papo MC

Papo MC já está no mainstream do rap latino, tem uma base de fãs consolidada na argentina e realiza um trabalho impressionante no ramo. Mais conhecido na região de Mar del Plata, ele é classificado pelo site La Capital Mar Del Plata como um dos melhores freestylers da Argentina.

Em 2016, Papo MC conseguiu um feito impressionante quando venceu a batalha de rap da Argentina e se classificou para o mundial daquele mesmo ano realizado no Peru.

Para Papo MC, o estilo freestyle é como se fosse um esporte mental em que se mescla música, improvisação e rima. Ao dominar tudo isso, o argentino tem o público nas mãos e não é ao acaso que ele tem quase dois milhões de seguidores no Instagram.

Também conhecido como “La Bestia del Hardcore”, o argentino é sócio-fundador do We Are Snowball, uma marca multimídia que tem como assunto temas como jogos, freestyle, poker, moda e muito mais.

Um profissional do poker

Papo MC não se classifica apenas como um entusiasta do poker. Para o argentino, essa modalidade é como uma segunda profissão para ele. Quando não está nos palcos encantando o público com suas rimas, o rapper está em algum canto estudando ou jogando poker.

A paixão pela modalidade vem desde cedo e Papo MC foi se aperfeiçoando ao longo do tempo. Em um país que tem tantos jogadores na elite do poker mundial, como Maria Lampropulos e Léo Fernandez, o rapper tem uma responsabilidade grande em suas mãos de honrar a longa tradição argentina nas cartas.

Por conta de seus compromissos com o rap, Papo MC não tem uma agenda tão agitada nos torneios de poker como a maioria dos jogadores que se dedicam integralmente ao jogo, mas mesmo assim o rapper consegue disputar um bom volume de competições.

Mais especialista em competições ao vivo, neste ano ele figura entre os 30 melhores da Argentina segundo ranking divulgado pela Global Poker Index (GPI).

As premiações em torneios ao vivo impressionam. Papo MC já tem mais de US$ 100 mil conquistados e sua carreira, sendo que a maior parte das remunerações vieram através do Circuito Argentino de Poker (CAP).

Neste ano, Papo MC tem realizado algumas viagens internacionais para disputar eventos de maior relevância no cenário internacional. Em março, o rapper de Mal del Plata foi até ao Rio de Janeiro para jogar um dos maiores eventos da América Latina.

Sediado no Belmond Copacabana Palace, no Rio Open o rapper brilhou com a quinta colocação em um evento da modalidade Texas Hold’em que contou com a participação de quase 900 competidores.

“Belmond Copacabana Palace (foto) é um dos principais centros para torneios de poker do país” – Foto: Charles J Sharp

Ao ficar em quinto, Papo MC embolsou a quantia de US$ 365 mil e ficou à frente de profissionais consolidados da modalidade, como os brasileiros Thiago Crema e Paulo Gini.

Após o feito, o argentino postou em suas redes sociais uma foto celebrando a participação no Rio Open e classificou a sua performance como uma de suas melhores na carreira de jogador de poker.

Mais tarde no ano, em julho Papo MC viajou até Las Vegas para jogar a 50ª edição do lendário World Series of Poker (WSOP) – equivalente à Copa do Mundo da modalidade. No circuito, ele não foi simplesmente um mero coadjuvante, pois ficou entre 100 primeiros de um torneio que contou com a participação de aproximadamente 2.500 atletas.

Outros rappers conectados com o poker

Além dos já citados Papo MC e Nelly, outros rappers também praticam o poker nas horas vagas e encaram o jogo com entusiasmo. Dois exemplos dos mais famosos são Bruno Lopes e Diego Cardoso.

Bruno Lopes, francês e com raízes portuguesas conhecido como “Kool Sheen”, tem uma carreira impressionante no poker. Aos 53 anos e já veterano nas mesas, Bruno acumula mais de US$ 1 milhão nos torneios ao vivo.

De acordo com a página do HendonMob, que contabiliza todas as participações de destaque dos jogadores no poker ao vivo, Bruno é frequente nos torneios de poker há mais de uma década. A maior participação de destaque do rapper aconteceu em 2012, quando ficou em quarto em um Main Event do European Poker Tour para embolsar a quantia de US$ 183 mil.

Se os jogos de poker atraem os rappers do mundo inteiro, o mesmo não é diferente para os brasileiros. No início da década, Diego Cardoso, um jogador de destaque na modalidade online, lançou o seu primeiro CD.

Conhecido nos palcos como “Keep”, Diego Cardoso é outro veterano das mesas e com participações em circuitos do Brazilian Series of Poker (BSOP). O álbum do rapper goiano, chamado “Voltando ao Assunto”, tem como inspiração os álbuns melancólicos do início da década passada.