“Quem é que vai fazer a ponte, quando a fronteira for o fronte?”

Se tem algo que não precisa de idioma, de religião, de território – mas muitas vezes de cor – é a miséria. A miséria caça jeito de doer aos olhos de quem ainda tem um coração pulsando. Como ficar imune a esse efeito bumerangue da colonização ancestral? Não tem como.

É nessa pegada que hoje (17) chega “Miséria 2.0”, acompanhada de videoclipe e já disponível em todas as plataformas digitais via ONErpm.

E nessa linha de frente, cutucando a ferida a ferro e fogo, Renan Inquérito traz mais um questionamento que a sociedade insiste em ignorar: qual nossa maior miséria?

“A fome aqui é língua universal
Sem tradução, fala com a expressão facial
Talvez só vão dar atenção pra tudo isso aqui
Quando a quebrada cair, cair que nem o Haiti”

Realidades escancaradas, dores, cores, globalização, verdades, mentiras… Com metáforas afiadas, Inquérito joga um holofote nos problemas que parecem pequenos para quem se acha grande demais e tira a máscara da hipocrisia dominante dos dias atuais.

Assista ao clipe:

“Miséria 2.0” faz parte do projeto Bumerangue, sétimo disco do rapper que irá lançar uma música e um clipe por mês até dezembro, em comemoração aos 20 anos de carreira, resistência e luta. Em abril, foi lançado “C Consegue 2.0” que você pode conferir clicando aqui.

Sem dó, sem preguiça, mas com muita vontade de fazer a diferença, de abrir os olhos – e ouvidos – que uma sociedade que anda sem horizonte, cruzando caminhos sombrios, acreditando em fontes imaginárias e Fake News.

Como bem canta Renan ao longo de seus versos: “Bem vindo ao Brasil! Fake News! O ódio criou um perfil, todo mundo seguiu e curtiu”. Bem vindo ao Brasil cheio de miséria que paga caro, em dólar pra quem não fala nossa língua, mas a gente ainda assim, não deixa de ouvir a voz do coração.