Salve Galera, cá estamos novamente com a Sexta Nostálgica. Para quem está aqui pela primeira vez, toda sexta postamos a indicação de um som que deixou saudades. E hoje o escolhido é “Meu Irmão” do Câmbio Negro, do álbum Na Mira da Sociedade de 1998.

Acho que essa foi uma das músicas que mais escutei assim que conheci o Rap lá no final da década de 90. O que me fez me apaixonar por ela foi o sample de “Donkey Kong Country 2“, é simplesmente ótimo. Dá o play e confere.

Obs: O CD Na Mira da Sociedade não é do Câmbio Negro, é na verdade uma coletânea que saiu com as seguintes pedradas:

01 Momento Seguinte – GOG
02 Periferia é o Alvo – Visão de Rua
03 O Trem – RZO
04 Assim Estava Escrito – Unidade 1
05 Meu Irmão – Câmbio Negro
06 Lei da Periferia – Consciência Humana
07 Histórias do Coração – Filosofia de Rua
08 Pirituba – RZO
09 Imagem – Unidade 1
10 Irmã de Cela – Visão de Rua

Pesado né?

Câmbio Negro

O Câmbio Negro surgiu em 1990, em Ceilândia. A primeira formação tinha X (Alexandre T. Silva) e DJ Jamaika (Jefferson Alves) nos vocais além de DJ Chocolaty nos toca-discos. O primeiro álbum, intitulado Sub-Raça, foi lançado em julho de 1993 pela gravadora independente Discovery. Pelo mesmo selo, em 1996 o grupo lançou seu segundo disco: Diário de um Feto, vendendo duas mil cópias nos primeiros quinze dias. No mesmo ano, concorreu ao Video Music Brasil, na categoria Melhor Grupo de Rap, fato que se repetiria no ano seguinte.[Somente na edição de 1999 é que o grupo conquistou o prêmio, além de concorrer na categoria de Melhor Direção, com a música “Círculo Vicioso”.  Após a saída do vocalista X no final do ano 2000, visando seguir na carreira solo, o Câmbio Negro encerrou suas atividades.

[VER OUTRAS SEXTAS NOSTÁLGICAS]

Leia também: História do Rap do DF – Em 1993, para a mídia Câmbio Negro era uma gangue