Dez propostas foram aprovadas pelo edital do Programa de Ação Cultural (ProAC), que celebram a  história do movimento bem como incentivam ações que empoderam jovens da periferia.

Dez projetos voltados à valorização da cultura hip-hop foram contemplados em edital do Programa de Ação Cultural (ProAC) do Governo do Estado de São Paulo. Este concurso contou com 127 propostas inscritas que concorreram a prêmios de 40 mil reais cada e que serão executadas a partir de 2017. Foram selecionadas as iniciativas enviadas por proponentes da capital, de Bauru, São José dos Campos, Lençóis Paulista, Monte Alto e Campinas.

Propostas agitam a região de Bauru

A região de Bauru contou com dois projetos aprovados: a manutenção das atividades da Casa de Cultura Hip-Hop de Bauru e do espetáculo de dança “O Fantástico Mundo do Hip-Hop”, do grupo Street Star, de Lençóis Paulista. Inaugurada em 2015, a Casa de Cultura Hip-Hop de Bauru irá promover oficinas dos quatro elementos: rap (música), breaking (dança), grafite (arte visual) e DJ (discotecagem). Também promoverá atividades do Cineclube, CinePixote, debate mensal sobre questões de gênero, coordenado pela Frente Feminina de Hip-Hop de Bauru; além da manutenção da biblioteca móvel, com mais de dois mil livros em seu acervo.

O espetáculo de dança “O fantástico mundo do Hip-Hop” vai contar a história do movimento a partir de seus elementos, contando a história de um menino que irá se encontrar com um par de tênis mágico. Os calçados serão seu guia numa viagem no tempo, mostrando fatos e pessoas importantes, que contribuíram com sua difusão. Essa montagem também gerará um livro a ser publicado posteriormente. Além de ser realizado na Casa de Cultura de Lençóis Paulista, o espetáculo deverá circular pelas cidades de Bauru, Botucatu, Dois Córregos, Jaú e Macatuba.

Teatro e cinema na capital

A montagem teatral “Do Capão para o Mundo”, projeto elaborado por proponentes do Capão Redondo, bairro da Zona Sul de São Paulo, irá contar com artistas residentes no local. O espetáculo contará a história de Big da Godoy, menino negro que desde cedo se envolveu com drogas. Quando tudo indicava que ele iria morrer cedo como outros jovens da periferia, vê a música como uma saída. A montagem deverá ser encenada no bairro e em um teatro no centro.

A 2ª Mostra Hip-Hop de Cinema levará a produção cinematográfica e em vídeo da cultura hip hop. O evento será realizado na capital, Bauru, São José dos Campos e Suzano. A data prevista para realização será entre os meses de abril e maio de 2017.

Celebrando a memória do movimento

O projeto “Memórias Históricas do Interior”, de Campinas, tem o objetivo de promover o resgate da memória histórica do movimento hip-hop na região metropolitana de Campinas. Haverá a montagem de um acervo de fotos, flyers antigos, peças e conteúdos intelectuais, que farão parte da exposição a ser realizada dentro da III Semana Municipal do Hip-Hop de Campinas.

Já a “Celebração Boombox – Original Hip-Hop” tem o propósito de reunir militantes, adeptos e colecionadores de rádios boombox, entendendo-o mais que um equipamento, mas um símbolo da cultura hip-hop desde a sua criação. Essas atividades serão levadas para bairros periféricos em São José dos Campos em 2017.

Hip Hop na Fundação Casa

O projeto “Infinity Class: redefinindo a história sob a ótica do Hip-Hop” apresenta a história de 40 anos do movimento por meio da trajetória do negro na América, alinhando o discurso cultural com o viés político, social e cultural. A ideia é contextualizar acontecimentos históricos da época com momentos importantes do hip-hop. Serão realizadas nove apresentações para os jovens da Fundação Casa do Rio Turiassu, no bairro do Brás, na capital, e também no Centro Cultural Jabaquara, na Zona Sul de São Paulo.

Dando voz à periferia

O núcleo de educação Afrobase, no bairro do Rio Pequeno, em São Paulo, foi contemplado com o projeto “Estúdio Kalakuta”. Além de manter o estúdio de gravação, o programa pretende ampliar a sua atuação por meio de oficinas voltadas para a produção musical. Eles proverão oficinas de MC (composição de letras e métricas), beatmaker (produção de bases eletrônicas), de técnico de áudio (gravação, edição e mixagem), além da produção musical de um single de um artista ou grupo de hip-hop da comunidade com objetivo de colocar em prática o que foi aprendido pelos jovens nas oficinas.

O projeto a “Batalha do Um Por Cento”, de Monte Alto, que fica na região de Ribeirão Preto, tem o propósito de desenvolver batalhas de conhecimento, no qual os MCs trabalham em cima de temas fornecidos pelo público. Os eventos serão realizados em dois bairros periféricos de Monte Alto e um na Praça Central. Também será realizada um roda de conversa com o público, cujo os temas serão desenvolvidos por meio de grafite.

Galeria na Vila Flávia

A “Favela Galeria” da Vila Flávia, no bairro de São Mateus, na capital, começou a ser desenvolvida pelo Grupo OPNI em 2009. A ideia do projeto é grafitar todos os muros, cantos, vielas e casas, resinificando o local e criando um museu a céu aberto. O projeto contemplado neste edital do ProAC tem a proposta de trazer alunos da rede pública estadual para realizar essas visitas. No tour, os estudantes conversarão com os artistas e conversarão com os artistas, além de presenciar o desenvolvimento de um grafite. O coletivo também realizará palestras sobre arte urbana e técnicas básicas de desenho na Fábrica de Cultura da Cidade Tiradentes e no município de São Sebastião.

Além do edital de hip-hop, já foram anunciados os selecionados dos 44 concursos nas linguagens teatro, dança, artes cênicas, festivais de artes, circo, literatura, museus, artes visuais, música, culturas populares e tradicionais, negras, indígenas, manifestações LGBT, saraus culturais, economia criativa, hip-hop, aprimoramento técnico-artístico, território das artes, publicação de conteúdo cultural, artes integradas I e II e audiovisual.

Todos os resultados estão publicados no site da Secretaria da Cultura do Estado (www.cultura.sp.gov.br).

O Programa de Ação Cultural (ProAC), na modalidade editais, tem o objetivo de fomentar e difundir a produção artística em todas as regiões do estado, apoiando financeiramente projetos artísticos. Neste ano, foram disponibilizados 44 editais em 12 linguagens: teatro, dança, música, literatura, circo, artes cênicas para crianças, festivais de arte, audiovisual, museus, diversidade sexual e étnica e artes visuais.

Para conhecer a programação cultural de todo o estado, acesse a plataforma SP Estado da Culturawww.estadodacultura.sp.gov.br.