O paulista Luan supera adversários de 10 países da América Latina e garante sua vaga na final mundial do Red Bull BC One. Luan conquista os jurados e o público com seu estilo provocativo de dançar, precisão técnica e movimentos que parecem ter sido congelados no ar

Mais de mil pessoas lotaram o Parque dos Igarapés, em Belém do Pará, pra assistir às batalhas entre os melhores do breakdance da América Latina. Entre os competidores, b-boys do México, Chile, Peru, Colômbia, Venezuela, Cuba, Argentina, Costa Rica, Bolívia e Brasil. O vencedor foi Luan Carlos dos Santos, o b-boy Luan, de apenas 23 anos. Natural de Bauru, interior de São Paulo, Luan venceu todas as batalhas eliminatórias e representará o Brasil na final mundial, em novembro. “Na hora que eu danço não consigo pensar em nada, mas antes de entrar numa batalha eu penso em tudo que eu já passei pra estar aqui, e aí eu acordo pra vida”.

Esta é a segunda vez que Luan vence uma final latino-americana do Red Bull BC One, a batalha que se estabeleceu como a mais relevante da cena do breaking mundial. Com inspiração em artes marciais, Luan é dono de um estilo vibrante e provocativo. “Assisto a filmes de artes marciais desde criança, eles são disciplinados e, na hora de mostrar, dão o recado”.

Os b-boys vencedores das batalhas que acontecem em seis diferentes regiões do planeta vão duelar pelo título de campeão mundial em Paris, dia 29 de novembro. O Brasil já teve um campeão mundial em 2010, o b-boy Neguin, que hoje integra o Red Bull BC One All Stars, um time com os melhores b-boys da cena mundial. No time das estrelas está também o brasileiro Pelezinho, que foi jurado da batalha que elegeu Luan. “Ele foi se superando a cada batalha, além de ter errado pouquíssimo, Luan fez uma ótima apresentação”, diz Pelezinho.

A competição foi suada, o rapper Rivas foi o MC que conduziu os duelos entre os 16 b-boys que vieram de 10 países da América Latina. No mesmo palco, performances da Gang do Eletro e MC Rapadura.

Os b-boys Pelezinho, Cico (Itália) e El Niño (Estados Unidos) foram os jurados da batalha que elegeu Luan para disputar a final mundial do Red Bull BC One, no dia 29 de novembro, em Paris.

Sobre o campeão latino-americano:
B-boy Luan
23 anos
De Bauru, São Paulo, vive em Diadema
Dança desde 2002
Crew: Funk Fockers
Outros interesses ou referências: artes marciais

Sobre o Red Bull BC One:
Desde que foi criado, em 2004, o Red Bull BC One estabeleceu-se como uma das mais relevantes competições da cena b-boying mundial, sendo palco para inúmeros dançarinos, caso dos brasileiros Pelezinho (que já disputou quatro edições do Mundial) e Neguin, único latino americano a conquistar o cinturão de campeão.

O Red Bull BC One é a competição mais importante de b-boys homem-a-homem no mundo. A cada ano, milhares de b-boys competem nas City Cyphers, finais nacionais, por uma vaga nas seis finais, realizadas na Europa Ocidental, Europa Oriental, América do Norte, América Latina, Ásia-Pacífico e Oriente Médio e África. Os vencedores vão para o Red Bull BC One World Finals, em que 16 irão participar, mas apenas um sai coroado campeão.

O primeiro Red Bull BC One foi criado em 2004, na Suíça. Desde então, a competição anual viajou da Alemanha para o Brasil, África do Sul, França, EUA, Japão e Rússia.

Sobre o Red Bull BC One All Stars:
O time de b-boys da Red Bull surgiu em 2010 e reúne alguns dos principais nomes da cena em atividade. São os b-boys Cico (Itália), Hong 10 (Coreia do Sul), Lil G (Venezuela), Lilou (França), Neguin (Brasil), Pelezinho (Brasil), Ronnie (EUA), Roxrite (EUA), Taisuke (Japão) e Wing (Coreia do Sul).