“Me deixa” é grito de liberdade plena, é canção ritualística, é resistência, é luta de um povo que um dia é rei e no outro condicionado a escravo.

Sendo assim, uma vez que o termo Jejê significa “andarilho, forasteiro e estrangeiro”, Gegê, neste vídeo, nos traz uma visão particular sobre a Salvador que, em Maio de 2015, ele teve o prazer de conhecer.

Salvador, com quase 3 milhões de habitantes é um grande caldeirão cultural, econômico e racial, logo, passível de ser e ter, as mesmas características de toda e qualquer metrópole do mundo. Gegê enquanto observador, neste vídeo, gravado em condições simples e independentes, aponta estas nuances e evoca que, além de uma cidade erroneamente dita turística, Salvador, assim como São Paulo, Rio de Janeiro e outras diversas do Brasil, é remanescência do tão negado “Dois Brasis”.

“É Gueto Aki Gueto Lá” (título de música compilada com o coletivo OPANIJÉ, que logo estará nas ruas). A diáspora é o povo que resiste e caminha, independente das condições desfavoráveis e opressoras. É HIP HOP, é a luta de um a um, é grupo, é bando, é coletivo, é Nagô, é Angola, é Ketu e Xhosa.