Nesta quarta-feira (28) o rapper Markão Aborígine lança seu primeiro livro ‘Sem rosto, família ou nome’ na 3ª Bienal do B, de Poesias e literatura, em Brasília. Está é a primeira publicação de um jovem autor da cidade de Samambaia, Distrito Federal. A obra é um conjunto de reflexões e versos do rapper reunidos desde a adolescência e é resultado do projeto Poesia em coletivo, também de iniciativa de Markão, onde ele distribuí panfletos poéticos em pontos de ônibus e estações do metrô.

Markão Aborígine que também é educador social há 10 anos, Markão já atuou em diversas entidades sociais, utilizando o Hip Hop e literatura marginal como instrumento pedagógico, trabalhando com adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa e comunidades em situação de vulnerabilidade social. Durante a Bienal outros artistas do Distrito Federal também têm espaço para divulgar seus trabalhos e grandes nomes compartilham suas experiências, suas obras mais belas e seu amor pela cultura.

O evento de poesia acontece na rua, em frente ao açougue T-Bone, embora seja nomeada Bienal, acontece todos os anos. O açougueiro Luiz Amorim idealizou o projeto que tem contribuído para a difusão cultural no Distrito Federal que cresce constantemente.