Levando poesias consagradas e próprias para salas de aulas, jovens do Grajaú se tornam únicos no Estado de São Paulo

Seguir pelas artes, em especial pelos muitos mundos encontrados na poesia. É com esse estigma que Luiz Paulo, Michel Nascimento, Lucas Vinicius, Douglas Arcelino e Márcio Ricardo desenvolvem a cerca de sete anos um trabalho inédito, diferenciado e totalmente independente no extremo sul da capital de São Paulo, mais especificamente na região do Grajaú: a poesia falada e cantada nas salas de aula.

De porta em porta, literalmente, os jovens – organizados no grupo de rap Semblantes -, percorrem escolas públicas, sejam elas estaduais e municipais, com a missão de incentivar os estudantes a terem maior participação em projetos e ações culturais. Tudo isso motivados por um novo modelo e expressão da arte onde ela mais precisa existir.

Ajuda social pela poesia. As letras do grupo Semblantes e as poesias declamadas se misturam com a realidade de mundo dos estudantes. São reivindicações, tudo aquilo que deveria ser o certo na sociedade e que por diversos motivos acabam não existindo. “Incentivamos os jovens a seguir nas diversas artes e não no mundo do crime ou das drogas. A nossa arte é a poesia, uma das mais antigas expressões humanas que ainda respira firme, viva na vida das pessoas”, afirma Márcio Ricardo, um dos integrantes do grupo.

“Nosso trabalho em si já é uma forma de vitória. Somos jovens sobreviventes de muitas coisas ruins existentes em nossa sociedade”, salienta Luiz Paulo. A interação na sala de aula é enorme. De uma a duas horas, o grupo Semblantes conta um pouco da história de cada integrante e o porquê de escolherem o caminho da poesia. Após isso, todos do grupo declamam textos, consagrados e autorais, gerando total interação entre todos os estudantes.

“Algumas escolas colocaram ‘as piores salas’ para interagirmos. Ao verem que os alunos respeitaram e participam da apresentação, eles passam a enxergar uma luz no fim do túnel. A lâmpada vem sendo o grupo Semblantes”, afirma Márcio Ricardo.

Nesta primeira semana de junho, o grupo se apresenta dia 05 (quarta-feira) na Escola Estadual Professora Adelaide Rosa Fernandes Machado de Souza – Av. Dona Belmira Marin, 3312 – Grajaú – SP; e dia 07 (sexta-feira) na Escola Municipal Dr. Miguel Vieira Ferreira – Praça Dona Carmela Dutra, 100 – Cidade Dutra – SP.

Que nome é esse?

O Grupo Semblantes nasceu em 2006 chamado “Os Criativos”. Ao longo dos meses, o nome mudou pela primeira vez, passando a ser “Família Criativa”. Dois anos depois, houve um esboço de mais uma mudança de nome: “Expressão Favela”. Porém, o nome definitivo ficou mesmo na sua última alteração, passando a ser “Semblantes”.

“Semblantes é a nossa feição, o que ela tem a dizer no decorrer dos dias. Você pode estar tanto triste quanto feliz e isso é o que nós queremos passar nas músicas e poesias”, conclui Michel Nascimento.

Integrantes:

Poeta Márcio Ricardo, 22 anos.

Escritor, poeta e MC. Amante da poesia e da música, compositor de diversos ritmos.

Autor do livro de poesias: “Felicidade Brasileira”

Poeta Luiz Paulo, 20 anos.

Poeta e MC, amante da poesia e da literatura, compositor de diversos ritmos.

Com um projeto de livro em andamento, é uma das vozes fortes do Semblantes.

Michel Nascimento, 17 anos.

Poeta e amante dos instrumentos musicais. É MC e amante do Rap e da poesia.

Autor de poesias brilhantes e contundentes como: “Vivência nos versos”

Lucas Vinicius, 15 anos

Poeta e MC. Cultiva outra arte que é a dança. Admirador de vários ritmos e compositor de Rap. Autor de poesias e letras que, apesar da pouca idade, faz perceber que podemos ser grandes não importando a idade ou classe social.

DJ Douglas Arcelino, 19 anos

Maestro em festas e na arte de dar vida ao que nos sai do coração, criador das bases/beats. É o DJ do grupo.

Semblantes – Não Sigla Partido:

SEMBLANTES – LáDoGrajaú:

SEMBLANTES – Parte das Verdades:

9° ENCONTRO RAP… SEMBLANTES: