Trazer o melhor da e cultura negra urbana para o centro da cidade, de graça e com diversas atrações culturais. Este é a ideia do FESTIVAL NEGRACIDADE, que acontece dia 23 de maio de 2015, das 10h às 22, no Vale do Anhangabaú, com ENTRADA FRANCA.

O festival traz como principais atrações shows da lendária Banda Black Rio, além da Turma do Pagode, Rashid, Sandália de Prata, Walmir Borges, Vitrolla 70, Super Soul e Bitrinho. O Evento gratuito traz ainda discotecagem de equipes de baile, Djs de Samba Rock, exposições e apresentações de dança. O Negracidade é uma iniciativa da APEESP – Associação dos Promotores de Cultura Negra do Estado de São Paulo.

Com expectativa de reunir cerca de 10 mil pessoas no centro de São Paulo, o objetivo do Negracidade é juntar diversas linguagens da cultura negra atual com a tradição dos Bailes Black e nostalgia de décadas passadas na cidade e que permanecem vivos até hoje. A Black Music, o samba rock, o pagode assim como a dança aliada a esses ritmos marcaram presença dentro desse cenário fortemente paulistano. Estão previstas mais 5 edições ainda este ano, uma por mês preferencialmente no mesmo local, no Vale do Anhangabaú.

“A ideia é qualquer pessoa que consuma essa cultura, sem qualquer distinção, esteja presente no evento. O público, de uma maneira geral, precisa reconhecer uma cidade que manifesta fortemente a riqueza dos elos culturais negros através dessas atividades”, explica Calixto Jr, um dos organizadores do evento e integrante da APEESP.

O que é a APEESP

A APEESP foi criada da união de grandes formadores de opinião no meio da cultura de bailes, shows, eventos culturais, artísticos e musicais. A entidade foi constituída como uma Associação Civil de Direito Privado, sem fins econômicos, com as finalidades e objetivos voltados para as realizações de atividades culturais, recreativas, educativas, artísticas, musicais, culturais e folclóricas, além de promover assistência social, filantrópica e ligadas à educação – sempre de forma gratuita. A defesa e conservação do patrimônio e da memória da história musical, bem como, da promoção de bailes, shows, eventos culturais, artísticos e musicais, em âmbito nacional e internacional, além de promover a descentralização das ações culturais e sociais do Município e do Estado de São Paulo, para desenvolver seus eventos e ações sociais nas periferias e comunidades carentes também estão na pauta.