Festival leva à Brasília artistas que representam as periferias do Brasil e do mundo, Xande de Pilares, Titica, Linn da Quebrada, Baco Exu do Blues e ABRONCA estão no lineup.

Favela Sounds – Festival Internacional de Cultura de Periferia acontece entre 30 de outubro e 4 de novembro em Brasília, com programação gratuita. Sua segunda edição chega ampliando a programação internacional, com artistas genuinamente periféricos, e traz à tona questionamentos referentes a processos migratórios e deslocamentos humanos. Parte da programação será oferecida no Museu Nacional e a outra parte na periferia de Brasília – ou seja, nas regiões administrativas do DF.
Este ano, o festival leva ao público do Distrito Federal quatro oficinas, quatro debates e dois dias de baile (3 e 4 de novembro), com shows de expoentes da música de Favela do Brasil e do mundo, como: Xande de Pilares (RJ), Titica(Angola), Linn da Quebrada (SP), Tati Quebra Barraco (RJ), Dama do Bling(Moçambique), Wesli Band (Haiti/Canadá), Baco Exu do Blues (BA), ABRONCA (RJ), Larissa Luz (BA), Telefunksoul (BA) e os DJs Darlly Matos (MA) e Iasmin Turbininha (RJ). Em comum, todos os artistas têm origem nas periferias das capitais de onde vieram e atuam de forma expressiva em diferentes localidades de seus países.

Baco Exu do Blues, Sobe ao palco no dia 04/11

A música de Brasília também tem presença marcante na programação do Festival. Entre os representantes da capital federal estão Thabata Lorena – cantora maranhense radicada em Brasília, DJ Kacá – conhecido por ser um dos DJs de funk carioca mais atuantes da cidade, DJ Donna – representante de peso da black music nas pistas brasilienses, Rosa Luz – rapper trans-feminista e youtuber responsável pelo canal ‘Barraco da Rosa’, DJ Pati Egito – adepta de sets festivos dominados pelo tecnobrega, e Magu Diga How – rapper de São Sebastião. Além da África Tática, banda formada a partir da oficina de rima no Favela Sounds 2016.

Thabata Lorena, cantora de Brasília

No dia 30/10 iniciam as oficinas e debates. Os shows acontecem nos dois últimos dias do evento, 03 e 04/11, na área externa do Museu Nacional e com tradutores em libras. Para o transporte do público residente na periferia, o Favela Sounds disponibiliza ônibus que circulam pelas mais distintas “quebradas do DF” para garantir a ida e a volta da galera. Entre as ações socioeducativas do evento, está o show de Vera Verônika (primeira rapper mulher do DF) para menores presos; e as mesas que tratam de temas urgentes como xenofobia e migração, LGBTQ e assuntos voltados para a periferia. A feira gastronômica fica por conta dos refugiados que vivem em Brasília.
As oficinas que ganham o nome de Ralação, acontecem em diferentes regiões administrativas do DF, coordenadas pela rapper e educadora Vera Verônika. Já o momento Papo Reto é destinado aos debates com artistas da programação e convidados especiais, em ações coordenadas pelo antropólogo Dennis Novaes.
Quando: 30 de outubro a 4 de novembro de 2017.
Onde: Museu da República e Regiões Administrativas
Entrada gratuita
Mais informações: www.favelasounds.com.br
Facebook.com/favelasounds | Facebook.com/umnomecomunicacao
Classificação Indicativa: livre
Realização: Um Nome Produção e Comunicação