Em julho deste ano, milhares de pessoas ocuparam as ruas do Brasil para protestar contra aumentos abusivos nas tarifas do transporte público. A repressão violenta por parte das autoridades fez com que as manifestações tomassem proporções ainda maiores, ganhando apoiadores em quase todos os cantos do país. Nesse cenário, apareceu uma contradição: a voz de Falcão, líder do grupo O Rappa, foi usada na campanha Vem Pra Rua, produzida pela Coca-Cola e referente à Copa do Mundo de 2014. Imediatamente, a banda – admirada por suas letras de forte impacto político e social – passou a ser criticada por uma suposta alienação. Em entrevista ao programa Pânico, nesta quinta-feira (5), o vocalista se explicou e disse que tudo não passou de uma grande coincidência.

“Uma das coisas que O Rappa mais desenvolveu foi o lado social. Estamos do lado das pessoas. Não temos partido, mas queremos ajudá-las, queremos fazer o melhor. Acontece que um dia o Simoninha me ligou e disse que precisava de mim para uma música. Fui lá, fiz umas três versões e veio a propaganda da televisão. Eu disse que não queria aparecer, mas que podiam usar minha voz. Até que foi parar na internet, gravaram um vídeo com ela de fundo e as pessoas na rua. Queriam até me bater. Mas foi tudo espontâneo, convite, letra, gravação. Não tenho culpa, só coloquei minha voz a serviço de uma parada. Não sabia que ia ter essa repercussão”, afirmou.

Além disso, o músico tem outra teoria. Na época, O Rappa estava em estúdio gravando oNunca Tem Fim, álbum de inéditas lançado após hiato de cinco anos. E, para ele, a ansiedade dos fãs por novas faixas pode ter contribuído para a canção ser tão tocada como foi.

“Acho que as pessoas queriam logo um disco novo. Se eu for pensar agora, acho que me convidaram para a campanha no momento certo. Não tinha pensado nisso. Qualquer coisa que eu cantasse ganharia uma repercussão grande”, disse.

Talvez o cantor tenha um pouco de razão. Antes do lançamento, a expectativa em cima do grupo era bastante alta. O motivo: aquele foi o único intervalo que eles fizeram em mais de 15 anos de carreira – o que fez com que surgissem boatos até mesmo de encerramento de suas atividades. Durante a conversa, Falcão falou sobre a pausa e assumiu que ela aconteceu por cansaço e desentendimentos entre os integrantes.

“Nunca tínhamos ficado um mês sem tocar. Aquela rotina acabou estremecendo nossa amizade. Terminamos a turnê um ano antes, senão provavelmente a banda não teria volta mesmo. Foi por essa vibe de não ter desgaste, de preservar o que tínhamos. Falamos: ‘cara, melhor cada um seguir sua vida e depois sentar para conversar’. Foi isso. Dois anos depois, sentamos. Eu e o Xandão resolvemos muita coisa nossa, algumas besteiras que poderiam ter sido resolvidas em um almoço. Mudamos de empresário, arrumamos a equipe”, contou.

Neste fim de semana, já com tudo de volta ao normal, parte do mais recente repertório da banda poderá ser visto no Summer Break, festival realizado sábado (7) em São Paulo e domingo (8) no Rio de Janeiro com nomes como Dave Matthews Band, Incubus e SOJA no line-up. Mais informações podem ser encontradas no Facebook oficial do evento.

Confira a íntegra da entrevista no áudio via Jovem Pan.