Evento acontece no próximo dia 1º em Poços de Caldas e traz Sérgio Vaz, Rodrigo Ciríaco, Renan Inquérito, Mundano, Jéssica Balbino e MC Cauan

A proximidade da cultura hip-hop com a literatura não é novidade. Prova disso é que o Festival Literário de Poços de Caldas (Flipoços) realiza, pelo segundo ano consecutivo, um encontro dedicado as manifestações do movimento.

No próximo dia 1º de maio, a partir das 14h, o Teatro Benigno Gaiga, no Complexo Cultural da Urca será tomado por representantes da cena do hip-hop e da literatura contemporânea no Brasil.

Quem fala sobre a realização do encontro é Gisele Corrêa Ferreira, da GSC Eventos. Para ela um dos objetivos do Flipoços é oferecer uma programação diversificada, para que mais pessoas possam aproveitar e usufruir dos eventos. “Nosso grande diferencial é sermos ecléticos, trazendo assuntos variados para atrair cada vez mais pessoas e oportunizar a todos mais cultura e conhecimento. O Encontro do Hip-Hop é muito bem-vindo dentro desse contexto e temos certeza que trazendo este público para dentro de um ambiente cultural positivo e de várias oportunidades de enriquecimento, certamente estas pessoas serão mais incluídas dentro da sociedade”, sintetiza.

Vira-lata da literatura, o poeta Sérgio Vaz, o criador do sarau mais famoso do país, o sarau da Cooperifa, está de volta ao Flipoços e desta vez fala sobre a Semana de Arte Moderna da Periferia, evento inspirado pela Semana de Arte Moderna em 1922, que será o tema central do Flipoços neste ano.

Com ele vem também o escritor Rodrigo Ciríaco, autor do recém-lançado “100 mágoas” e criador do sarau dos Mesquiteiros. No início do ano, Ciríaco fez o lançamento do livro e uma edição especial do sarau em Berlim, além de, em 2011, ter sido traduzido para o francês no livro “Je suis favela”, ao lado de renomados escritores como Marcelino Freire, Marçal Aquino, Ferréz, Sacolinha e Alessandro Buzo.

Misturando o rap com a literatura chega Renan Inquérito, que volta ao Flipoços com o recém-lançado livro de poesias,#PoucasPalavras. Inspirado pela nanotecnologia e pelo twitter, o autor reuniu frases curtas e de efeito, textos inéditos e letras de música numa obra que tem fotografias de Márcio Salata e ilustrações de Mundano.

Este último também retorna ao Flipoços e conta um pouco do trabalho que vem fazendo nas ruas de todo país e até mesmo do exterior. Poeta dos muros de concreto e das carroças de catadores de recicláveis, o graffiteiro Mundano traz a Poços o mais recente projeto “Pimp my carroça”.

E as atrações não param. Quem também retorna ao Encontro do Hip-Hop é  o cearense Felipe Rima, que lança durante o Flipoços o disco “Entre o Batuque do Coração e a Poesia da Vitória”, onde musicou as poesias escritas ao longo dos anos.

Para completar a cena do hip-hop, o poços-caldense Dj Mancha é quem comanda os toca-discos do evento, exibindo performances e resgatando a alma da cultura surgida nos anos 1970 nos EUA.

A novidade fica por conta do rapper mais novo do Brasil, MC Cauan, de oito anos, que lançou em 2011 o disco “Pequeno no tamanho, grande no talento” e tem se apresentado em todo país.

Para fechar o encontro, o Flipoços recebe os shows do grupo M.A.F.I.A (Manos na Área Fazendo a Igualdade Acontecer) e do grupo UClanos, que lança o primeiro videoclipe “Afro Soul”, canção presente no disco “Pelos Canto”.

A co-curadoria do evento foi feita pela jornalista e escritora Jéssica Balbino, que também fará a mediação do encontro.