Pode-se afirmar que o rap atingiu um patamar até então inédito no cenário musical brasileiro. Alguns artistas se destacaram neste seguimento como pesquisadores que introduziram em sua experimentação as raízes e a musicalidade brasileira. O “rap”, gênero importando da indústria americana, dá lugar ao “rep”, ritmo e poesia brasileiros que refletem a miscigenação e a identidade nacional. É neste contexto que Dropê, integrante do coletivo Comando Selva (RJ), inicia um mergulho na obra de Sérgio Sampaio, cantor e compositor que, marginalizado nas décadas de 70 e 80, ficou conhecido como um dos “malditos” da MPB.

“Sérgio Sampaio era um desses artistas questionadores e com língua afiada, que muitas vezes, quando não todas, terminava censurado. Era assim até que um dia, se queixando da tal censura para o amigo Erasmo Carlos, foi aconselhado a fazer uma música sobre o tal “bloco na rua”. A música, que parece ser uma simples exaltação da vontade de se pular carnaval, perpassa ao fundo com uma crítica à ditadura militar da época.”

O trecho acima é declaração de Daniel Obino (Miragem Records), responsável pela produção do single “Bloco Na Rua” que é faixa do disco “Entre Nós”. Segundo Dropê, o disco tem previsão de lançamento para o primeiro semestre de 2014.

Ainda falando do single, Obino apresenta Nissin e Ramonzin como participações que vieram a enriquecer ainda mais a poesia da “nova velha canção”, e completa:

“Meu mano Shock veio adicionar os “grooves” incessantes à intensa batida de Goribeatzz. Meu irmão Felizo chegou para somar, além das mixagens, trazendo skills de seu projeto de música eletrônica, Misticin. Eu como sempre, revi, editei, questionei e criei junto com essa família que é a Miragem Records. Só tenho que agradecer também ao projeto Viva Sampaio e ao filho do mestre, João Sampaio, que apoiou e liberou essa homenagem ao ‘maldito’.”