Khadhya sempre mostrou uma aversão em enfrentar o microfone e o público, nasceu e viveu no interior do país onde as informações relativamente ao Hip Hop, chegavam aos repelões, Khadhya sentia falta de algo na sua vida porque nem a igreja muito menos a política lhe cativavam. Graças a dinâmica da evolução sócio-política, e por volta de 1997 viria solidificar as ideias que careciam duma fundamentação. Faz assim do Hip Hop o escape das suas ambições, angustias, desabafo e outras manifestações humanas. Nunca pensou em cantar porque desde cedo sempre entendeu que a cultura em causa, não só absorvia Mc´s, como também activistas e ideólogos, começou a difundir mensagens incomuns nos locais públicos e sem saber quem vai cantar, começa a escrever as primeiras rimas. No ano 2008, após a conclusão do II Cíclo, decide deixar a sua cidade natal (Malange) e ruma para Luanda (berço do Hip Hop) em busca de uma formação superior. Uma semana depois, conhece um amigo que diz chamar-se Kilunge com os mesmos objectivos tanto académicos como artísticos. Enquanto colegas da Faculdade de Letras da Universidade Agostinho Neto no Filosofia, descobre que este já tinha uma história no movimento Hip Hop o que fortificou a relação de amizade ambos.

Para além de compositor, Khadhya desenvolve técnicas de produção por aconselhamento do seu amigo Kilunge com instrução do Haudaz também Mc. Um ano depois, fundaram a label a que denominaram SAPERE AUDE.

Justino kilunge “tino” artisticamente tratado por Kilunge, é um mestre de cerimóniaS, deste imenso movimento artístico e cultural universalmente conhecido como hiphop. Em Luanda. Começou a manifestar as primeiras tendencias musicais em 1997 e gravou a sua primeira música no ano de 2000, isto fora nos estúdios dos djs, Betinho e Kito na Machine, bairroHhoji-ya-Henda onde nascera aos 12 de abril. Fez parte de vários agrupamentos musicais (passes), tais como. Os Bredopick, os Afro-budas, a Brigada Salvaterra, Inferno 9, os Negros do Gueto, Coligacao Periférica, os Missionários do rap, Sobreviventes do Inferno etc.

Enquanto compositor e Mc, Considera-se um dinamite rimador, que trnsforma todas vivências em versos rítimicos. Cujas abordagens críticas, profundos reparos e sugestoes solucionáveis referem-se geralmente nos apelos a justiça, a liberdade, a paz, a independencia de consciencia, a revisão política, a prostituiçao religiosa, o amor ao próximo, revoluçao social, etc. Por isso faz rap de carácter interventivo, ¨rap-underground e revolucionário¨.