Diretamente de Guadalupe, na Zona Norte do Rio, surge um novo som para a cena musical da cidade. A Syntonos une os sons clássicos da black music com o R&B contemporâneo para trazer uma mensagem de amor, diversão e esperança. Tudo isso está no EP “Vai dançar”, lançado esse ano como primeiro passo da carreira do grupo. Firmando-se no cenário alternativo sem esquecer das raízes, a Syntonos traz um som diferente na cena, ao misturar a brasilidade com ritmos não tradicionais do país.

“Você não tem ideia de como a música já salvou as pessoas daqui. Ainda mais no subúrbio, que tem uma overdose de talentos e sonhos. Uma vida sem sonhos é uma terra fértil sem sementes. O meu é fazer música. Só sei fazer isso. Se não for isso, já aceito o passaporte para outro plano”, brinca o vocalista Rafael Costa.

O grupo forma-se a partir do sonho de Costa em ter uma carreira solo, mas a troca de ideias entre os membros da sua provável banda de apoio o fez mudar de ideia. Hoje ao lado de Elaine Ladeira (vocalista), Jessica Nepomuceno (baterista), Augusto Lopes (baixista) e Stevie KingBeats (DJ), a Syntonos é a prova de que sintonia e harmonia é o coração de um conjunto.

“Minha maior inspiração na bateria vem de um baterista da black music, Tony Royster (da banda do Jay-Z) e outra grande inspiração musical que me acompanha forte é Alicia Keys. Meu objetivo sempre foi fazer, tocando bateria, o que a gringa já fazia há anos em questão instrumental, enquanto no Brasil parecia ter estacionado o gênero black num todo”, conta Jessica.

Músicos desde a infância e adolescência, todos os integrantes possuem uma formação musical primorosa, sendo alguns até oriundos da Escola de Música Villa Lobos, no Rio. Mas eles tiveram algo em comum na formação da estética musical: o gosto pela black music, adquirido ouvindo os discos que os pais escutavam.

“Sempre estive no meio da black music através da minha mãe. Quando comecei a tocar, aos poucos, meu amor pelo estilo foi aumentando até que eu não conseguia me ver tocando qualquer outro além desse. É o estilo que amo e me sinto em casa enquanto escuto e toco”, conta o baixista Augusto Lopes.

Inspirada na linhagem americana de inovação musical, a Syntonos carrega elementos de diversos gêneros, tais como o soul, o rap, o hip-hop e o funk americano, caracterizando-se como uma banda de Black Music autenticamente brasileira e potencializada pelas referências da cultura negra e afro do país. Entre as referências estão nomes do presente e do passado, unindo referências brasileiras e ícones internacionais como James Brown, Michael Jackson, Bruno Mars, Justin Timberlake, Jamiroquai, Daft Funk, Negra Li, Seu Jorge, Tim Maia, Sandra de Sá, Claudio Zolli, Ed Motta, Djavan, entre outros.