“Trangressão” conta com participações de Djonga e Fabrício FBC, e resgata o rap dos anos 90 ao lidar com a criminalidade e a realidade das comunidades de Belo Horizonte

São Paulo, agosto de 2017 – Clara Lima, artista mineira reconhecida por seu sucesso entre as batalhas de MCs pelo Brasil – foi a primeira mulher a representar Minas Gerais no Duelo Nacional e na Batalha do Conhecimento, um dos principais do Rio de Janeiro, ambos em 2015; e foi ainda campeã do YO Music Brasília em 2016 -, apresenta nesta quinta-feira, dia 24, em festa no Bar Opinião, seu primeiro EP, “Transgressão”, lançado no último dia 18 nas plataformas digitais. Na mesma noite se apresentam BK e Djonga.

Nas letras, Clara coloca, de maneira bastante explícita, as experiências pessoais e a realidade da comunidade Ribeiro de Abreu, onde mora. As letras revelam um resgate do rap feito nos anos 90; old school, representado por Racionais MCs, entre outros, ao lidar com temas periféricos, como criminalidade. A rapper vem utilizando a música para levantar uma bandeira contra a invisibilidade, ao mesmo tempo que usa disso como uma ferramenta para mudança social.

Para Clara, o “Transgressão” representa uma série de quebra de paradigmas e o início da realização de um sonho. “É difícil ser aceita neste meio por ser mulher. Nas batalhas MCs, por exemplo, os homens geralmente não aceitam a vitória de uma mulher. Este álbum, para mim, é o rompimento de vários padrões, tanto do rap, quanto da sociedade. Sou mulher, negra, lésbica, periférica e quero viver de música”, diz.

Djonga e Fabrício FBC, com quem ela mantém o Grupo DVTribo, fazem participações especiais. Clara divide o vocal com Djonga na faixa “Vida Luxo”, uma analogia à música “Vida Lixo”, do próprio rapper. Enquanto uma lida com o lado luxuoso e ostensivo da cultura gangster, a outra fala de caos e ausência de escolhas. Já “Selva”, música que é um diálogo entre Clara e os conselhos de sua consciência, é cantada por Fabrício FBC.

Na imagem da capa, Clara aparece sentada numa mesa diante de elementos que corrompem o ser humano, como armas, dinheiro e bebida. “São coisas que ao mesmo tempo que dão poder, transgredem a mente humana. É esse o conceito do EP”, explica.

Todas as Faixas foram gravadas no Estúdio Plano Certo, em Belo Horizonte. Os beats ficaram por conta do CoyoteBeatz e Fernal, e a mixagem e masterizaçao foram feitas no Estúdio ProBeats pelo DJ Spaider.

Clara Lima | Foto: Bruno Filipi

LANÇAMENTO DO EP “TRANSGRESSÃO”, DE CLARA LIMA
+ Djonga + BK
Quinta-feira, dia 24 de agosto de 2017, às 23h
Bar Opinião – Rua José do Patrocínio, 834 – Cidade Baixa – Porto Alegre/RS
Abertura da casa: 21h30
Classificação: 16 anos

Entrada: entre R$35 e R$60

Vendas: http://www.blueticket.com.br/20603/Djonga,-BK-e-Clara-Lima-