#busca arrecadações de alimentos, roupas e medicamentos para sobreviventes de incêndio na favela

#FestivalMoinhoVivo. É com esta hashtag que a cultura hip-hop se organizou e realiza, no próximo domingo (22), um festival na Favela do Moinho, na região central de São Paulo, com o objetivo de arrecadar alimentos, medicamentos, objetos de higiene pessoal e roupas.

A iniciativa busca amenizar o sofrimento dos mais de quatro mil moradores da favela que no último dia 23 de dezembro foi atingida por um incêndio, matando moradores e deixando boa parte dos que ficaram sem as mínimas condições de sobrevivência – higiene, comida e um teto.

Os militantes culturais Milton Sales, Jackson e Amaral Família DuCorre uniram-se em protesto e mobilização e com o evento esperam atrair um significativo número de doações.

Estão confirmadas as presenças de grandes nomes da cena musical nacional como Mano Brown (Racionais MCs), Dexter, Emicida, Crônica Mendes (A Família), Rincon Sapiência, DeDeus MC, Lindomar 3L, Rimatitude, Us Vagabundo Chic, Ducorre, entre outros artistas do break, graffiti, Djs,poetas e escritores e comunicação.

O que pode ser doado:

– alimentos não perecíveis

– medicamentos

– materiais de construção

– brinquedos

– material escolar

– roupas

Serviço – O #FestivalMoinhoVivo acontece no próximo domingo (22) a partir das 14h na própria favela, localizada a Rua Doutor Elias Chaves, 20,próximo ao viaduto da Avenida Rio Branco, no centro de São Paulo – SP.

VÍDEOS

Utilizando a linguagem audiovisual, muitos militantes tem produzido curtas, documentários e vídeo-reportagens para relatar o sofrimento dos moradores da favela.

Um deles é o vídeo “Moinho Vivo”, produzido por Fernando Pequeno. Segundo ele, “este é um pedido de ajuda dos moradores da Comunidade do Moinho, onde aconteceu o incêndio que deixou várias famílias desabrigadas e algumas pessoas morreram”.

Outro material é o documentário “Favela do Moinho” , que tem pouco mais de 13 minutos de duração e foi produzindo pela PUC- SP e mostra a luta prefeitos Serra e Kassab para desocupar a área onde hoje vivem mais de quatro mil pessoas.

O documentário mostra que o Escritório Modelo entrou, em 2008, com uma ação de usucapião coletivo em nome da associação de moradores e o juiz do caso concedeu o benefício, permitindo que os moradores permanecessem nas casas até o final da ação.

Já o organizador do evento, Milton Sales, também manda um recado, num vídeo de 20 segundos, acusa a prefeitura de querer esconder os moradores e os efeitos do incêndio.

Outro material, intitulado “Moinho Vivo – O que a imprensa não disse” está disponível no canal de vídeos youtube e mostra moradores e ativistas compartilhando informações e denúncias sobre o que houve na comunidade.

Assista aos vídeos:

Moinho Vivo: http://vimeo.com/34410037 ou http://youtu.be/gSy6U4sEvUs

Favela do Moinho: http://youtu.be/y8UEM2nrwGM

Milton Sales: http://youtu.be/dvQh12f-xyY?hd=1

#MoinhoVivo – o que a imprensa não disse: http://youtu.be/oL3c17vzPMo