O filme integra a campanha Diversidade Viva, realizada pelo Rapper Markão Aborígine, que realiza oficinas de formação em Direitos Humanos e respeito à diversidade em escolas públicas do Distrito Federal. A obra é a ultima de uma série feita a partir do Single O Circo do grupo de rap Aborígine.

O filme conta um breve resumo da vida de Letícia, um travesti de 21 anos que vive em Brasília. Ela explica do preconceito que sofre dentro da família, no trabalho e na escola. Conta que já trabalhou como garota de programa, mas voltou atrás e decidiu que não era aquela a vida que queria. A difilculdade de se inserir no mercado de trabalho não deixou outra opção, assim optou pela profissão de cabeleireira.

A superação dos olhares de preconceito, fez Leticia dar a volta por cima e batalhar contra a forte discriminação que ela enfrenta. O apelo dela é para que principalmente a família apoie a pessoa independente da orientação sexual.

Markão Aborígine é quem propõe o debate sobre diversdade no filme. O curta-metragem é uma relização da empresa Nakaradura Produções, produzido por Julyana Duarte e Alice Silva, imagens de Alan Brito e dirigido por Alan Mano K. A companhia de Teatro H2O e Cia Teatral Roupa de Ensaio apoiaram o projeto que oferece um convite à transformação social .